quarta-feira, 20 de maio de 2020

Covid-19 / 2020


O que eu tenho feito para passar o tempo, controlar a ansiedade, driblar o medo constante e (tentar) me livrar da covid-19?

Sinceramente, eu não queria ter que falar sobre isso no primeiro post do blog, mas essa é uma realidade excruciante que a gente, infelizmente, não tem como ignorar. Queremos acreditar que vai ficar tudo bem e temos até alguns momentos de autocontrole, mas basta sair na rua (nem que seja na varanda de casa) ou ligar a tv pra desopilar um pouco que gente a já começa a sentir o gosto de enfermidade. Tudo isso está um verdadeiro caos. E desse jeito nossa mente e corpo também acabam, por consequência, mergulhando nesse caos. É algo quase inevitável.

Felizmente, há sempre algo que podemos fazer (apesar de nossas limitações humanas) pra tentar amenizar a angústia que advém nessas horas e que nos leva, muitas vezes, a experienciar situações bem distópicas. Eu, por vivência pessoal, sei que o medo pode ser mais destruidor do que todas as coisas: sofro de ansiedade grave e já estive em inúmeros lugares terríveis dentro da minha própria cabeça. Não foram poucos os dias em que eu achei que fosse enlouquecer ou morrer subitamente, simplesmente por não conseguir racionar ou sentir/enxergar as coisas como elas realmente são.

Pra muitas pessoas, isso é algo momentâneo, já pra outras (como é o meu caso), é um problema crônico. Eu preciso tomar medicação controlada pra poder me sentir melhor. Mas os remédios (mesmo carregados de muito preconceito) ainda são o de menos. O verdadeiro obstáculo, pelo menos do jeito como penso, é o mundo lá fora. A gente pode até pirar, parar e entrar em choque, mas ele não deixa de girar por nós. E é aí que está o grande problema.

A gente se cobra por não ser produtivo, se cobra por ficar doente e se cobra também por estar se cobrando, num loop infinito que só traz preocupação e sofrimento. Às vezes, a gente se depara com cenários tão assustadores como esse que estamos vivendo (e que geralmente nos pegam de surpresa) que não dá nem pra processar ou ao menos buscar uma forma de contornar a ansiedade.

Como sei que esse é um problema sério que já me fez cair no fundo do poço muitas vezes e conheço também os  possíveis gatilhos, tenho feito tudo que posso para não absorver o caos e não deixar tudo pior do que já está: voltei a ler alguns livros que estavam parados, não ligo mais a tv e reduzi meu acesso à internet, sobretudo as redes sociais. Aquilo lá é veneno pra momentos frágeis assim. Passei a cuidar melhor da casa e descansar mais, dormir mais e tirar um tempo só pra respirar. Sei que muitos não podem fazer isso por ainda estarem trabalhando arduamente enquanto eu e, possivelmente você que está lendo isso, possamos ficar em casa, e nossa missão é reconhecer o esforço desses heróis e ajudá-los no que estiver ao alcance de nossas mãos. Há aqueles que, por trabalharem de dia pra poder comer à noite, também não podem parar. E isso é algo que me deixa profundamente incomodada. Podemos ajudar essas pessoas também, se tivermos como.


Mas, antes de tudo, precisamos colocar a cabeça no lugar. Ninguém consegue fazer nada com o corpo doente e a mente carregada de tensão, e isso é óbvio. Lutar contra monstros invisíveis assim exige um preparo e um cuidado que a gente precisa aprender na prática, e não mais na teoria. Nos filmes de ficção científica tudo sempre acaba muito bem, mas, na vida real, pode não ser desse jeito; o mundo real é outra coisa. Vamos tentar focar, então, no que é real. Eu sou real, você é real e nós podemos nos ajudar. Se estou longe, posso fazer uma oração por você, e se estou perto posso te assistir dentro das minhas limitações no que você precisar. Posso me proteger pra também proteger você. Posso me cuidar pra também cuidar do outro nos dias maus. A gente não pode se abraçar (ainda) como as bonitas aí da foto, mas podemos nos entrelaçar em espírito em trabalhar por dias melhores.  E assim a gente vai vivendo.

Curte tua família. Liga pra um amigo distante e mata a saudade. Ouve uma música que te faz bem e assiste aquele filme/série que te deixa feliz. Filtra o que vem lá de fora, não deixa o pânico dominar. Se você pode, faça isso. Se você pode, ajude e seja luz. O mundo com certeza precisa de você.
emerge © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.